António Sá, o chefe de produção que subiu a pulso na INJEX

António Sá, o chefe de produção que subiu a pulso na INJEX

 

“Quando cheguei à INJEX não sabia injetar uma peça, não sabia nada. Se nos limitam a um trabalho rotineiro de meter uma peça dentro de uma caixa, nós ficamos a fazer isso a vida toda. Mas se nos incentivam a fazer mais, se nos desafiam a perceber como é que uma peça se faz, como acontece aqui na INJEX, nós ficamos entusiasmados e vamos evoluindo e aprendendo.”

António Sá entrou na Injex em 2010 e continua encantado com a decisão que então mudou a sua vida profissional.

Trabalhava na vizinha Leica – a empresa alemã das míticas máquinas fotográficas –, mas sentia necessidade de “um novo desafio profissional”. Foi com esse propósito que bateu à porta da INJEX para apresentar uma candidatura espontânea.

Natural e residente no concelho de Vila Nova de Famalicão, António Sá nasceu em 13 de novembro de 1985. Frequentou a Escola Básica do Outeiro, na freguesia de Antas, e estudou até ao 12º ano de escolaridade, tendo-se formado em Instalações Elétricas num curso técnico-profissional da Escola Profissional Cior. Vive na freguesia de Lousado.

Em 2010 era um trabalhador precário e procurava “um trabalho” com mais estabilidade e segurança. “Fui muito bem recebido na Injex. Comecei por baixo, como operador de máquinas, depois fui aproveitando as várias oportunidades que foram surgindo, nomeadamente ao nível da formação profissional”, informa, como quem está a contar uma história feliz.

A aposta na formação dos seus colaboradores é uma das preocupações da administração da INJEX, no âmbito de uma política de recursos humanos que prioriza a evolução dos funcionários, recorrendo a serviços externos só em última necessidade.

Por isso mesmo, António Sá aprendeu a trocar moldes e a afinar máquinas, tornou-se responsável de turno e chegou a “team leader”, ou seja, chefe dos três turnos. Atualmente é chefe de produção – função que desempenha em estreita colaboração com o departamento de qualidade.

“Esta evolução surgiu aproveitando ao máximo as oportunidades que foram surgindo, procurando aprender e melhorar sempre.  Tenho evoluído juntamente com a empresa, o que é estimulante”, explica António Sá, que nos últimos 12 anos viu o crescimento contínuo do parque de máquinas e da estrutura.

“O ambiente na INJEX é bom. É familiar, o que é difícil de encontrar em empresas maiores. Maior proximidade entre todos torna o clima mais acolhedor”, considera António Sá, explicando: “Não digo que sejamos todos amigos, mas somos todos bons colegas de trabalho, trabalhamos todos em harmonia e isso faz uma equipa mais forte e mais coesa.”

Filho de um casal de operários fabris, António Sá praticou karaté com o mestre Alexandre Carvalho, adora “jogar futebol com os amigos” e segue com paixão a carreira do Futebol Clube de Famalicão na I Liga Portuguesa.

“A SAD deve ser mais cautelosa na compra e venda dos jogadores para que a equipa tenha mais estabilidade”, recomenda o adepto famalicense, que gostava de um dia ver o clube da cidade numa prova europeia.